arquivo

Arquivo da tag: papel

Pessoal!! Encontrei um texto muito completo e interessante sobre a definição de Produção Gráfica, para quem não sabe o que realmente fazemos, ou tenha algumas dúvidas.

produção gráfica  organiza e supervisiona a realização de peças gráficas. O setor de produção gráfica numa agência ou empresa editorial se ocupa na contratação de serviços e materiais, e pelo contato com os fornecedores gráficos, acompanha as etapas de produção gráficas.

A contratação de ilustradores, fotógrafos e demais colaboradores específicos é de responsabilidade do diretor de arte. A quatro etapas de produção gráfica são :

* Projetação – Nesta etapa ocorre o trabalho do designer no planejamento visual gráfico, esta etapa se encerra quando o trabalho é concluído e o original torna-se em arquivo fechado;

* Pré-impressão – Etapa em que são elaborados fotolitos para a produção das matrizes e da digitalização e edição de imagens complexas;

* Impressão -Inicia-se com a produção da matriz e ocorre o processo de impressão das cópias em máquinas específicas;

* Pós-impressão – Tudo o que ocorre após a impressão e antes do empacotamento das tiragens e cópias, é todo o acabamento desempenhado nos produtos impressos, como cortes, verniz, encadernação, etc.

Na composição manual de impressos utilizava-se o componedor que media as linhas, tipos metálicos de fontes, galé (bandeja para organizar os tipos) e a mesa de paginação. Os tipos eram justapostos sobre a bandeja que prensava o original. Na composição mecânica havia :

* Linotipo – Composições de linhas via teclado, com matrizes e caracteres e espaçadores, cada linha recebe o metal líquido para a impressão;

* Monotipo – Não mais por linha, e sim por tipos, os tipos (letras) eram separadamente perfurados em fita, através de teclado e perfurador, recebendo o metal líquido para impressão;

* Ludlow – Máquina específica para impressão de “caixa alta”, manchetes (letras maiores)

A fotocomposição era a composição de originais a partir de recursos fotográficos, o filme gera a matriz que vai para a máquina impressora, dando uma maior definição ao desenho do tipo. No processo de impressão há vários tipos de originais conforme o suporte utilizado :

* Original opaco – imagem cujo o suporte é o papel;
* Original transparente – Imagem cujo suporte é o acetato;
* Original translúcido – imagem cujo suporte é atravessado pela luz, mas a imagem não é atravessada pela mesma, ex: papel vegetal.

No processo de pré-impressão há o original em arquivo fechado e aberto:

* Original em arquivo aberto – Pode ser manipulável pelo birô da gráfica, salvos em *.cdr (corel draw) e *.psd (photoshop)

* Original em arquivo fechado – arquivo salvos em *.pdf ou *.tiff, não pode ser manipulável, somente para leitura e reprodução.

Fonte: InfoEscola (Fernando Rebouças)

André Sanchez

http://www.andresanchez.com.br

Quem trabalha com design está acostumado com as diferenças entre os tipos de papéis e sabe muito bem qual a melhor aplicação deles. A escolha do papel ideal é fundamental para que todo o trabalho de criação e desenvolvimento possa ficar perfeito para o cliente, e para que a escolha seja a correta é preciso pensar no tipo de acabamento, na gramatura e tipo do papel bem como a tinta que será impressa. Se você possui alguma dúvida sobre os tipos de papéis disponíveis, confira:

  • Gramatura: Qualquer papel é identificado através da gramatura que varia entre 50 a 350 gramas e quanto maior a gramatura, mais caro custa o papel.
  • Cor: A cor, o grau de alvura bem como a opacidade do papel vai determinar para qual tipo de impressão ele será aplicado. Por exemplo, as tintas off-set possuem transparência e assim a cor do papel escolhido por sofrer uma alteração de cor. Recomenda-se sempre usar um papel branco, pois assim você consegue obter a cor desejada.
  • Textura: A textura do papel é o aspecto dele como liso, telado, calandrados, etc. A textura vai depender da criatividade do designer, para saber qual é a melhor opção. Considerando a impressão off-set podemos dizer que quanto mais liso o papel, mais nítida será a impressão.

Tipos de Papéis:

Off-set: Esta é a melhor opção de papel para quem busca uma impressão com cores vivas, nítidas e uniformes. Este papel possui bastante cola e sua superfície é uniforme, ou seja, é livre de felpas além de ser preparado para resistir à umidade. Agramatura trabalhada neste papel é de 90 gramas, se tornando uma excelente opção para quem busca uma impressão de qualidade com custo baixo.

  • Aplicações:
  • Receituário
  • Folhetos
  • Miolo de livros e revistas

Papel Sulfite: É o papel comum, aquele conhecido como folha de ofício. Pode ter várias cores e tamanhos, mas o mais comum é o A4.

  • Aplicações:
  • Impressão em impressoras jato de tinta e laser
  • Trabalhos escolares

Duplex: É um papel composto por 4 camadas: Uma é a celulose branca, duas internas de uma pasta não branqueada e a última de celulose possui dupla aplicação de couchê em apenas um dos lados. Possui uma alta resistência e sua gramatura trabalhada é de 250 a 400 gramas. É o famoso papelão.

  • Aplicações:
  • Caixas
  • Sacolas
  • Embalagens

Couchê: É um papel mais caro, mais resistente (dependendo da gramatura escolhida) e sua principal característica é o revestimento brilhante em ambos os lados. A gramatura pode ser 90, 120, 150 e 250 gramas.

  • Aplicações:
  • Cartão de visitas
  • Folders
  • Postais
  • Encartes

 

Esse artigo eu achei no design.blog.br

 

Ivan Hugo

É uma técnica que utiliza tiras de papel enroladas e modeladas para criar qualquer tipo de decoração. A origem exata não se conhece, apenas que já era utilizada na Idade Média com outros materiais como metais, grades e outros. Foi inspirada na técnica da ourivesaria chamada Filigrana, da qual resultava objetos em ouro e prata feitos com fios finos “retorcidos”. O quilling também é conhecido com filigrana de papel, talvez por isso no início, eram produzidos sempre em dourado. A técnica se espalhou da Europa para a América nos tempos da revolução americada, mas era um artesanato feito por mulheres ricas, pois papel era um luxo. Levo o nome de quilling pois começou-se a ser produzido nas colônias americanas com penas de ganso = quills.

Exemplos de filigrana em jóias

Yulia Brodskaya é uma artista que se destaca nesta área, fazendo artes até para promoções de empresas como a Nokia. Estes são alguns dos trabalhos dela:

-por Jacqueline-