arquivo

Arquivo da tag: dicas

1. Defina se as cores que vai utilizar, serão cores da pantone ou escala CMYK, e certifique-se que as
cores utilizadas no arquivo estão devidamente configuradas conforme o desejado.

2. Quando desejar que uma cor PANTONE seja impressa como cor CMYK, insira
manualmente as porcentagens CMYK na configuração da cor, pois diferentes aplicativos geram
diferentes porcentagens de cores para um mesmo PANTONE.

3. Nunca especifique uma cor preta utilizando as quatro cores, pois as máquinas impressoras não
conseguem lidar com muita cobertura de tinta (mais de 200%).

4. Em áreas chapadas, para obter um preto chapado, na maioria das vezes é usado 100% de Preto, 30% de Cyano e 30% de magenta. Porém, pergunte a gráfica que você irá imprimir quais as porcentagens expecíficas que eles usam para obter um preto chapado.

5. A cor que você vê em seu monitor ou prova a jato de tinta nunca será igual a cor impressa com
cores offset. Para obter um controle sobre o resultado, use uma tabela impressa de cor CMYK
ou PANTONE como referência para sua paleta de cores.

6. Remova todas as cores que não foram utilizadas da palheta de cores do documento, para não
confundir com as cores que serão utilizadas pelas máquinas impressoras.

7. Quando quiser usar cores PANTONE use como referência uma tabela impressa PANTONE.
Caso não possua uma tabela, consulte a gráfica que você imprime os seus trabalho e solicite a tabela de cores pantone impressa que eles utilizam.

8. Atenção aos tons verde escuros (verde musgo), azuis escuros, roxos e violetas. Essas cores
costumam apresentar resultados impressos muito diferentes do que você obtém em seu monitor
ou jato de tinta. Consulte uma escala de cores impressa.

Anúncios

Dúvidas na hora de utilizar o Photoshop? Então acompanhe várias dicas sobre ferramentas e efeitos

1 – Ferramentas escondidas
Para ter acesso a diversas ferramentas que estão escondidas no Photoshop, clique nos ícones na barra de ferramentas e mantenha o botão pressionado até surgirem várias opções.

2 – Janelas escondidas
Não consegue achar determinada janela? Acesse o menu Janelas (ou Window) e ative a que você procura.

 Nome das ferramentas
Como saber o nome de uma ferramenta? Mantenha o mouse sobre qualquer ferramenta para que seu nome seja exibido. Faça isso para se familiarizar com as ferramentas.

4 – Atalhos
Dê atenção aos atalhos no teclado, eles tornarão seu trabalho muito mais rápido e eficiente.

5 – Altere a cor de objetos
Para não perder detalhes de luz e profundidade, faça o seguinte: com a ferramenta Pincel, mude o modo para a opção Cor e selecione uma cor qualquer. Ao passar o pincel sobre a imagem, perceba a troca de cor em um efeito bastante interessante.


6 – Ocultando ferramentas
Teclando Tab, você pode ocultar/exibir as janelas e ferramentas do Photoshop. Isso ajudará bastante para visualizar melhor a imagem que está sendo trabalhada.

7 – Mova imagens com rapidez
Quando você estiver trabalhando em close na imagem, é mais rápido e prático movê-la pressionando a barra de espaço. A seta do mouse virará uma mão e você poderá mover a imagem como quiser.

8 – Seleções em forma geométrica perfeita
Ao usar as ferramentas de seleção, pressione a tecla Shift e você terá círculos e quadrados perfeitos.

9 – Aumentar e diminuir a tela de exibição de forma rápida
Use Ctrl e a tecla + conjuntamente para aumentar o close sobre a imagem e Ctrl e a tecla – para afastar a visualização da imagem.

10 – Modo máscara rápida (seleção)
Teclando Q, você estará no modo Máscara rápida, uma boa maneira para criar seleções/máscaras. Nesse modo, usar o pincel fará surgir uma seleção e a borracha irá desfazê-la. Ao voltar para o modo-padrão, teclando Q novamente, você verá a seleção pronta. Ideal para máscaras mais  complicadas.

11 – Retoques
Com a ferramenta Carimbo, você poderá fazer retoques avançadíssimos e com perfeição. Para tanto, pressione Alt e clique em um ponto qualquer da imagem. Solte o Alt e passe o pincel. Note que a parte que foi clicada com o Alt está sendo copiada. Para tirar uma espinha do rosto de alguém,por exemplo, basta copiar e colar um trecho de pele perfeito sobre a imperfeição.

12 – Perspectiva
Em Editar, Transformação, Perspectiva, você poderá adicionar ótimos efeitos de perspectiva. Basta mover a grade que se forma em volta da figura quando o efeito é acionado. Use para estilizar um texto e sinta a diferença.


13 – Adicionar seleções
Segurando a tecla Shift, você poderá somar seleções, compondo uma máscara mais precisa.

14 – Subtrair seleções
Por outro lado, pressionando Alt você subtrai seleções.

15 – Retoque com “remendos”
Você também pode retocar uma imagem, copiando e colando pedaço perfeito da imagem sobre trecho com problema. Para tirar as bordas deixadas quando colado o remendo, basta passar suavemente a borracha sobre as bordas do trecho colado.

16 – Copiar elementos com o carimbo
Além de retocar, podemos usar o carimbo para duplicar elementos. Da mesma forma que operamos na dica acima, você pode, na imagem de um céu estrelado, por exemplo, copiar uma estrela de um ponto para outro do céu com total perfeição.

17 – Converter texto em imagem
Em Camadas, Converter em bitmap, Texto, é possível transformar um texto em imagem. É uma opção importante, pois determinados efeitos e preenchimentos exigem que o texto esteja em forma de imagem.

18 – Redimensionamento rápido
Tecle Ctrl + T para redimensionar sua imagem de forma rápida.

19 – Ferramenta laço magnético
Para fazer uma seleção/máscara de forma rápida, use a ferramenta laço magnético. Ao passar o ícone próximo à extremidade de uma imagem, o laço faz automaticamente a seleção. É uma ferramenta recomendada somente para imagens mais simples.

20 – Preenchimento rápido
Clicando Alt + Del você preencherá, de forma rápida, seleções ou imagens inteiras.

21 – Organizar janelas
Em Janela, Organizar, há várias opções para organização de janelas, válidas para quando há muitas imagens abertas ao mesmo tempo.

22 – Imagens provenientes do scanner
Se você tem um scanner, é possível escanear uma imagem diretamente pelo Photoshop. Basta acessar Arquivo, Importar e selecionar o modelo de seu scanner. Isso fará com que a imagem já seja lançada dentro do próprio Photoshop quando for escaneada.

23 – Alterar tamanho do pincel
É possível alterar o tamanho do pincel simplesmente clicando em + ou – no teclado.

24 – Ferramenta corte demarcado
Selecione o trecho que você pretende manter na imagem e, em seguida, tecle Enter. Tudo o que não for selecionado pela moldura, será excluído.

25 – Corte preciso
Pressionando Shift ao usar a ferramenta corte demarcado, você obterá cortes com um quadrado  perfeito.

26 – Modo tela cheia
Para visualizar melhor sua imagem, altere o modo de exibição teclando F. Há como deixar a imagem ocupando a tela inteira.

27 – Sombra projetada
Em Camada, Estilo de camada, Sombra projetada, é possível criar ótimos efeitos de sombra, podendo alterar distância, opacidade e seu tamanho em relação à imagem.


28 – Copie uma cor preexistente
Com a ferramenta conta-gotas, você pode identificar a cor que está sendo usada em qualquer imagem. Ao clicar com ela, de imediato a cor selecionada será colocada como cor de primeiro plano.

29 – Fazer uma seleção
através de cores semelhantes Clique com a varinha mágica em uma cor específica de sua imagem e, em seguida, clique em Selecionar, Semelhante e tudo que tiver cor aproximada a que foi selecionada será adicionado à seleção.

30 – Variar cores da imagem
Em Imagem, Ajustes, Variações, você pode alterar levemente as cores de sua imagem inserindo aos poucos mais verde, ou vermelho, ou ciano etc. É uma ótima opção para ajustar imagens amareladas ou com cores mortas.

31 – Selecionar tudo
Teclando Ctrl + A, você cria uma seleção sobre toda a imagem.

32 – Duplicar camadas de forma rápida
Primeiramente selecione a imagem clicando Ctrl + A e, em seguida, copie e cole clicando Ctrl + C e Ctrl + V. Pronto,uma nova imagem exatamente igual a que você estava trabalhando foi criada.

33 – Restaurar cores-padrão
de primeiro e segundo plano Teclando D, você restaura as cores branco e preto do padrão de forma rápida.

34 – Transparência
Na janela de camadas, diminuindo a opacidade da camada, você cria um efeito de transparência, deixando transparecer a imagem abaixo da que está sendo trabalhada.

35 – Bloquear camada
Se você está trabalhando com muitas camadas, pode optar por bloquear algumas delas para evitar alterar alguma coisa sem perceber. Para isso clique na imagem da seta de quatro pontas na janela de camadas.

36 – Ocultar camada
Você pode optar também por esconder determinada camada. Basta clicar na figura do olho que fica ao lado de cada camada dentro da janela de camadas.

37 – Inverter seleção
Ao selecionar uma área, você pode inverter esta seleção clicando em Camada, Inverter. É uma boa dica para quando se precisa recortar uma figura de um fundo chapado, pois basta selecionar todo o fundo, inverter a seleção e recortar a imagem.

38 – Tamanho da tela de pintura
Em Imagem, Tamanho da tela de pintura, você pode aumentar a área da imagem que está trabalhando, expandindo ou retraindo-a, basta digitar a medida.

39 – Tamanho da imagem

Em Imagem, Tamanho da imagem, você pode alterar o tamanho real da imagem. Só fique atento na hora de aumentá-la demais, pois isso poderá deixá-la granulada.

40 – Tamanho real da imagem
Muita gente acha que o tamanho que se vê a imagem em 100% no Photoshop é o tamanho real dela, mas não é verdade. Você só saberá o tamanho correto da imagem indo à opção comentada no item anterior. Lá, você verá o tamanho exato da largura e da altura. Essas medidas é que determinam também o tamanho da impressão dessa imagem.

41 – Resolução da imagem
Uma informação imprescindível ao se trabalhar com uma imagem é saber qual é sua resolução. É também em tamanho da imagem que você pode conferir isso. Você pode diminuir a resolução, se não quiser ter uma imagem muito pesada, por exemplo, mas evite ao máximo aumentar a resolução da imagem, pois isso pode distorcê-la.

42 – Resolução para Internet
O padrão para imagens de Internet costuma ser de 72 dpis. Dificilmente você encontrará imagens com menos resolução que isso.

43 – Resolução para impressão em gráfica
Já para impressões em gráfica, o recomendado é 300 dpis, para que se tire o máximo de qualidade da imagem.

44 – Resolução impressão digital
Se você for imprimir a imagem em gráficas rápidas ou em sua casa mesmo, procure trabalhar com uma resolução em torno de 150 dpis.

45 – Tamanho da impressão
Uma forma de não só saber a medida para impressão, como também para visualizar a imagem é usando a ferramenta Zoom. Basta clicar com o botão direito sobre a imagem e, em seguida, selecionar o tamanho da impressão. O que você verá é o tamanho em que sua imagem será impressa.

46 – Otimizando o uso de janelas
Para evitar ter um monte de janelas abertas durante seu trabalho, monte todas que for precisar em uma. Para isso arraste as janelas pela orelha e insira todas em uma só janela. Depois, basta alterar clicando nas orelhas.

47 – Salvar para Web
Quando for usar a imagem para a Internet, salve usando a opção Salvar para Web, indo ao menu Arquivo. Imagens para Internet precisam ser o menos pesadas possível. Nessa janela, você poderá alterar o peso da imagem, sem perdas significativas de qualidade.

48 – Definindo novas cores
Você pode definir novas cores clicando em uma das duas cores que ficam na barra de ferramentas. Daí, é só selecionar com o cursor a cor que mais lhe agrade.

49 – Criar ação
É possível criar ações para procedimentos repetitivos. Vá à janela de ações e clique no botãoCriar nova ação e, em seguida, em Gravar. Tudo o que você fizer daí em diante será gravado. Quando estiver pronto, clique em Parar, e quando quiser rodar sua ação, basta clicar no botãoExecutar ação para que o Photoshop repita todo o procedimento.

50 – Salvar em JPG
Dica simples, mas importante. Se você estiver trabalhando em um arquivo PSD e quiser salvá-lo em JPG, bastar clicar em Arquivo, Salvar como e escolher JPG no item formato.

51 – Girar/redimensionar imagem
Em Editar, T livre, você poderá girar ou redimensionar sua imagem. Apenas clique e mova-a pela moldura que surgirá na imagem.

52 – Girar/redimensionar imagem rapidamente

Com Ctrl + T, você acessa o item transformação livre rapidamente.

53 – Salvar seleção
Em alguns casos é interessante salvar uma seleção/máscara para usá-la novamente mais tarde, principalmente quando você perdeu muito tempo criando uma máscara.
Para salvar, vá para Selecionar, Salvar seleção, determine um nome para a máscara e clique em OK. É também no menu Selecionar que você poderá carregar essa seleção.

54 – Efeito de chanfro e entalhe
Essa é uma ótima dica para destacar imagens e principalmente textos. Vá para Camada, Estilo de camada, Chanfro e entalhe e selecione uma entre as opções oferecidas na janela.

55 – Brilho e contraste
Uma boa maneira de ajustar luminosidade de imagens é usar a opção brilho e contraste. Vá para Imagens, Ajustes, Brilho e contraste e faça os ajustes necessários.

56 – Curvas
Se a opção brilho e contraste não resolver, você pode clicar em Imagens, Ajustes, Curvas para editar a luminosidade da imagem. Mova a curva que aparece nessa opção para aperfeiçoar a luz de sua imagem.

57 – Realçar sombras

Uma maneira rápida também de alterar a luminosidade clareando as sombras é usando a opção Sombra/realce em Imagens, Ajustes, Sombra/Realce.

58 – Efeito negativo
Em Imagens, Ajustes, Inverter, você pode simular um um efeito muito parecido com o de negativos de fotografia


59 – Efeito de reflexo de flash
Em Filtro, Acabamento, Reflexo de flash, você pode inserir um efeito fácil e muito bonito. Mova a luz com o mouse para onde achar conveniente e altere a percentagem do brilho.

60 – Seleção automática de camada
Selecione a ferramenta Mover e, no topo da janela, clique em Seleção automática de imagem. Essa dica é ideal para quem está trabalhando com várias camadas, pois permite que você acione a camada somente com um simples clique sobre ela.

61 – Textura bordado
Em Imagem, Textura, Bordado, você poderá fazer um excelente efeito de bordado. É bem simples de usar e você ainda pode alterar relevo e o tamanho dos quadrados.

62 – Mostrar caixa delimitadora
Ao lado da opção Seleção automática de camada, há a opção Mostrar caixa delimitadora. Ativando-a, você terá uma moldura fixa em volta da camada em que estiver trabalhando, podendo alterar seu tamanho ou girar a camada.

63 – Linhas retas ao usar pinceis
Pressionando Ctrl ao usar pincéis, você fará linhas retas, para cima ou para baixo.

64 – Ferramenta fatiar para Web
O Photoshop pode fatiar uma imagem para que ela seja incluída na Web. Fatiando uma imagem, você permite que o navegador carregue-a aos pedaços, tornando sua exibição mais rápida. Para fatiar, bastar passar a ferramenta Fatiar para Web sobre a imagem, para dividir em vários pedaços. Para salvar a imagem, use a opção Salvar para Web.

65 – Aumente a área de trabalho com a ferramenta corte demarcado
Selecionando a imagem com a ferramenta e esticando a grade para fora da imagem, você aumentará a área da imagem logo depois de teclar Enter.

66 – Pincel com efeito de dissolver
Selecione a ferramenta Pincel e, em Modo, altere para Dissolver. Os traços feitos a partir de então darão a impressão de que estão se dissolvendo.

67 – Guias
Depois de ativar a régua, você poderá inserir guias à sua imagem. Clique sobre a régua e arraste a guia para dentro da imagem. Muito útil para ações que necessitam de precisão.

68 – Distorcer texto
Escreva um texto qualquer e, na barra acima da janela, há a ferramenta criar texto distorcido. Com ela é possível dar várias formas aos textos.

70 – Preencher rapidamente
Tanto em camadas, como em textos, você pode preencher rapidamente com a cor de primeiro plano usando as teclas Alt + Del.

71 – Régua
Em Visualizar, Régua, você poderá ativar a régua para auxiliá-lo nos trabalhos que exigem mais precisão.

72 – Preferências da régua
Ao clicar duas vezes sobre a régua, você poderá mudar detalhes como a medida que ela está sendo representada, mudando de mm para cm, por exemplo.

73 – Preferências da guia
A dica acima também vale para as guias. Clicando duas vezes sobre elas, você poderá mudar características como cor ou estilo grade.

74 – Ferramenta borrar
Use esta ferramenta para fazer pequenos reparos, como imagens de rostos em close ou de pele. Clicando nela você pode esconder pequenas imperfeições da imagem. A ferramenta borrar é a mão com o dedo indicador apontando na barra de ferramentas.

75 – Opacidade do pincel
Você pode alterar opacidade do pincel clicando na ferramenta e, em seguida, alterando a percentagem na parte superior da janela.

76 – Ferramenta classificar por cores
Com essa ferramenta, você pode identificar exatamente a cor que preenche determinado trecho da sua imagem. A ferramenta poderá lhe fornecer as informações em CMKY ou RGB, por exemplo.

77 – Quando usar RGB ou CMKY?
O critério é simples. Se a imagem é para uso virtual e não será impressa em gráfica, use RGB. Se você for mandar a imagem para impressão em gráfica, é preciso alterar o modo para CMYK. Essas alterações podem ser feitas em Imagem, Modo.

78 – Alternar imagens abertas
Quando você tiver muitas imagens abertas ao mesmo tempo, é fácil alterná-las teclando Ctrl + Tab.

79 – Ocultar somente janelas
Você pode ocultar somente as janelas, mantendo a barra de ferramenta. Basta teclar Shift + Tab.

80 – Ferramenta com cursor mais preciso
Ao teclar Caps Lock, você transforma o cursor da ferramenta em uma forma mais precisa para trabalhos que necessitem de mais detalhes.

81 – Reverter
Fez alguma bobagem em seu arquivo e estragou seu trabalho? Reverta para o momento em que seu arquivo foi salvo pela última vez, clicando em Arquivo, Reverter.

82 – Dégradé sobre a imagem
Nas opções do dégradé, você pode alterar o modo para Cor, possibilitando o preenchimento sem se perder a imagem em que o dégradé estará sendo aplicado.

83 – Linhas
Na ferramenta Linha, você pode criar traços de vários pesos diferentes, bastando clicar e arrastar a ferramenta sobre a imagem. Vale lembrar que pressionando Shift serão feitos traços retos na horizontal ou vertical.

84 – Sombra interna
Em Camada, Estilo de camada, Sombra interna, você poderá criar uma sombra projetada para dentro da camada.

85 – Ferramenta superexposição
Ativando essa ferramenta na barra de ferramentas, você conseguirá fazer pequeno ajustes de luz e claridade sobre as imagens.

86 – Ferramenta dégradé
Ótima opção para preencher espaços em branco, fundos de imagens ou camadas. Ative o dégradé na barra de ferramentas e na parte superior da janela é possível editar cores e formatos para o preenchimento.

87 – Modelos predefinidos de dégradé
Nas opções da ferramenta, há modelos interessantes predefinidos para uso do dégradé. Há boas sugestões para uso, confira!

88 – Latas de tinta
Use essa ferramenta para preencher espaços ou seleções com a cor de primeiro ou segundo plano.

89 – Ferramenta nitidez
Essa ferramenta possibilita o aumento da nitidez, por onde ela é passada, mas serve unicamente para pequenos ajustes. Deve-se usá-la levemente para não causar danos à imagem.

90 – Ferramenta medir
É uma forma bastante eficiente para se medir um trecho da imagem. Basta clicar de um ponto a outro para receber a informação de quanto mede o trecho. Procure usar essa ferramenta pressionando Shift.

91 – Laço poligonal
É a maneira mais rápida para selecionar figuras ou formas que não sejam muito rebuscadas. Acione a ferramenta na parte superior da barra de ferramentas e vá clicando em volta da imagem a ser selecionada, até fechar a seleção voltando ao ponto do primeiro clique.

92 – Desfazer seleção
Teclar Ctrl + D é a maneira mais rápida de desfazer uma seleção.

93 – Ferramenta carimbo-padrão
Essa ferramenta permite fazer preenchimentos com padrões preexistentes no Photoshop. Na parte superior da janela, pode-se mudar esses padrões.

94 – Duplicar a camada
Outra forma de duplicar uma camada é clicando com o botão direito do mouse sobre ela na janela de camadas e, em seguida, clicar em Duplicar camada.

95 – Mesclar todas as camadas
Você pode chapar todas as camadas em uma, indo em Camada, Mesclar camadas visíveis.

96 – Mesclar camadas rapidamente
Basta clicar Ctrl+ Shift + E.

97 – Mesclar para baixo
Nessa opção, você mescla somente a camada em que está trabalhando com a que vem logo abaixo dela, deixando todas as outras como estão.

98 – Mesclar para baixo rapidamente
Clique CTRL+ E.

99 – Arquivos com transparência
Para salvar um arquivo com fundo transparente, a melhor maneira é salvando no formato PNG, indo a Arquivo, Salvar como, Formato, PNG.

100 – Selecionar tudo
Teclar Ctrl + A é a maneira mais rápida de selecionar toda a imagem ou camada em que se está
trabalhando.

 

E muito mais no link: http://www.photoshopcreative.com.br/dicas/aq0-124-7134-1-207+dicas+de+photoshop.html

 

Fonte: http://www.photoshopcreative.com.br

Muita gente se preocupa com a calibração do monitor para obter cores consistentes. Mas não se esqueça da enorme influência da iluminação e dos objetos ao seu redor. Por Mario Amaya

A percepção das cores é uma informação processada por nossos olhos e cérebros, que não corresponde diretamente à cor física dos objetos no mundo real, e sim à interação entre o conteúdo espectral da luz que chega a eles e a sua tendência intrínseca de refletir mais algumas porções do espectro que outras. Por exemplo, sob a iluminação noturna de rua de lâmpada de sódio, um objeto azul parece preto, pois essa luz não contém quase nenhuma radiação azul. Mas um objeto amarelo sob a mesma luz parece ser quase tão brilhante quanto um branco, já que essa luz é rica em radiação amarela.

Essa capacidade de a iluminação alterar a percepção de cor do objeto é bem conhecida e usada na fotografia: luz quente para suavizar feições do rosto, luz fria para dar um clima noturno e assim por diante.

Por seu lado, o monitor de vídeo é um aparelho engenhosamente concebido para construir imagens obedecendo ao mesmo princípio pelo qual a informação visual das cores é decodificada e analisada pelos nossos olhos. Isso é o que permite representar uma enorme variedade de cores gerando e misturando apenas três luzes coloridas: vermelha, verde e azul.

Um monitor dentro de uma sala com uma lâmpada elétrica é uma situação na qual nossa percepção das cores pode entrar em conflito. Tanto o monitor quanto a lâmpada são fontes de luz independentes, com características espectrais próprias. Quando precisamos avaliar com precisão as cores dos objetos representados na tela e compará-las com as provas impressas, a coisa pode se complicar. Precisamos calibrar o monitor, mas também precisamos ajustar a iluminação ao redor dele.

Imagine que a sua sala de trabalho é iluminada por luzes incandescentes tradicionais, com filamento de tungstênio. Elas produzem uma temperatura de cor baixa (em torno de 3000 K), com forte ênfase para o vermelho e o laranja e fraca reprodução do azul e do violeta. Um monitor normalmente é calibrado de fábrica para uma temperatura de cor de 6500 K, que é mais ou menos correspondente à luz do dia, com uma ligeira tendência ao azulado. O que acontece ao colocar o monitor nesse ambiente? A imagem dele parece extremamente azulada, e fica impossível comparar a olho qualquer imagem na tela com a prova impressa da mesma imagem.

Suponha agora que você transporte o monitor para uma sala com lâmpadas fluorescentes com a mesma temperatura de cor do monitor. As cores na tela parecerão magicamente corretas.

Se for usar o monitor na primeira sala, ele precisará receber uma calibração diferente da usada na segunda sala, a fim de ser sempre condizente com as lâmpadas usadas. Aí sim, será possível identificar as cores na tela com as da prova impressa.


O fotógrafo Marcos Kim em seu estúdio digital em São Paulo, onde praticamente todos os objetos e superfícies são em cores cinzas neutras e os vários tipos de monitores são rigorosamente calibrados com colorímetro.

Melhorando o ambiente

A cor da superfície da tela com o monitor desligado corresponde ao tom mais escuro que ele pode exibir, ou seja, o preto da imagem. Os reflexos da luz ambiente “pintam” a tela e tornam o preto um pouco mais claro, encolhendo a gama de contraste. Isso é especialmente importante no caso dos monitores LCD, que já não têm uma gama de contraste tão extensa.

A necessidade de otimizar a visualização do seu monitor impõe uma série de limitações e exigências à configuração do ambiente:

• Paredes, cortinas e luminárias coloridas? Não pode.

• Janelas atrás ou à frente do monitor, de forma nenhuma! Nas laterais, só se forem distantes e atenuadas por cortinas de cor neutra, ou simplesmente fechadas.

• Luzes de teto e paredes claras situadas atrás de você, de frente para a tela, vão causar problemas. Toda essa região deve ser escura. E você também: vista uma camisa escura.

• A iluminação da sala deve ser suave, fraca. O ideal mesmo é trabalhar na penumbra. Não ilumine o estúdio com luzes fortes, como se fosse um escritório tradicional. O estúdio digital é o contrário do escritório de papel: nele não desejamos a interferência da luz.

• O teto deve ser branco, e se possível a luz de teto deve ser indireta (refletida no teto).

• As paredes devem ser pintadas de cinza neutro ou branco. Nada de creme, areia, azul, verde…

• Se o seu monitor não possui parassol, construa um para uso permanente. Use como matéria-prima papelão corrugado de embalagem ou lâminas plásticas. Pinte-o de preto fosco. Grude-o ao monitor com tiras de Velcro. Aqui tem um gabarito para a construção de um parassol.

Não é para ser um espelho

O problema do reflexo em monitores agravou-se com a adoção em massa pela indústria de informática dos monitores glossy (polidos) para produtos de consumo. Eles realmente permitem obter um preto mais escuro e, com isso, proporcionam um contraste de imagem maior. (Além disso, os mais cínicos podem observar que as superfícies lisas e espelhadas ficam mais bonitas no showroom da loja, embora sejam terríveis para manter livres de marcas de dedos.)

Os reflexos espelhados da tela podem ser um pesadelo para quem pretende usar um desses monitores de consumo em trabalho fotográfico sério – e simplesmente não resta alternativa melhor para muitas pessoas, como quem trabalha com notebook ou quem simplesmente não está no momento ideal para investir muito dinheiro num monitor premium. O fato é que os reflexos distraem muito e perturbam a percepção de tons e cores.

No meu estúdio doméstico, só consegui resolver o problema dos reflexos no monitor tomando três providências:

• Escurecendo a parede de trás (instalando uma estante cinzenta povoada de objetos neutros).

• Regulando cuidadosamente a abertura da janela lateral, que deixa entrar a luz do dia. (Os puristas insistem que o estúdio de imagem digital não pode ter nenhuma janela, mas quem aguenta viver assim?)

• Usando iluminação de piso e não de teto. As lâmpadas são fluorescentes compridas e finas, do tipo que se embute em vitrines de lojas e aquários. A luz indireta e suave, dirigida de baixo para cima, não chega a interferir com o monitor e ao mesmo tempo produz visibilidade suficiente para os objetos na sala.

• A temperatura de cor usada é consistente entre todos os equipamentos: 6500K.

Dê uma força ao seu computador

Por que o Photoshop tem o xadrez de transparência e o fundo da janela em cinza? Por que o Elements, o Bridge e o Lightroom são inteiramente em cinza escuro?

Porque o julgamento das cores pode ser afetado também pelos objetos dentro da tela do computador. Nada mais natural: durante a edição de imagem, os objetos virtuais na tela estão ainda mais dentro do seu campo de visão que os objetos reais.

As dicas a seguir podem parecer beirando a paranoia, mas são realmente úteis:

• Se usa Mac, vá às Preferências do Sistema e escolha como fundo de tela (Mesa) o cinza escuro que está entre as cores sólidas. A seguir, vá ao painel Aparência e escolha o visual Graphite, que elimina as cores vivas dos controles de janelas (botões, barras de rolagem etc.).

• O Windows como vem de fábrica é muito mais colorido que o Mac OS, e isso acaba atrapalhando mais. Se usa Windows XP, escolha o tema padrão clássico, que é totalmente cinza, em vez do berrante tema azul. Se usa Windows VIsta ou 7, o visual Aero também pode ser deixado cinza. Para isso, abra o painel Personalizar e escolha o tema condizente.

• Se no Lightroom e Bridge você usar o esquema visual mais escuro, irá enxergar melhor os tons escuros das suas imagens. Se na apresentação final elas estiverem rodeadas por fundos claros, parecerão mais escuras. Isso é um ponto a considerar ao editar imagens para websites, por exemplo.

 

 

 

Fonte: http://www.photoshopcreative.com.br

Olá Pessoal,

Achei este post interessante e resolvi compartilhar com vocês.

Com o aproximar das festas de Verão, os fotógrafos de várias idades, nacionalidades, seja amador ou profissional, obviamente todos e qualquer um de nós vai querer experimentar mais uma vez registar o bulício da sua terrinha natal, cá fica uma compilação das mais populares dicas para que o resultado seja em grande.

1º – Use um tripé
Provavelmente a dica mais importante é a de certificar-se que a máquina se encontra bem firme ou presa a algo que garanta uma posição estática ao durante os registos. Iremos utilizar velocidades de obturação longas que serão excelentes para registar o movimento dos fogos artifícios e nunca da máquina. Várias soluções se adequam à finalidade mas, obviamente, o uso de um tripé é o mais adequado.

2º – Disparador remoto
Uma das melhores maneiras de manter a máquina bem firme é evitar o contacto das mãos usando um disparador remoto. Por norma, as marcas possuem modelos que se adequam na perfeição aos seus aparelhos mas há uma enorme quantidade de dispositivos da concorrência que, a preços bem mais acessiveis, fazem a mesma coisa. Para quem não tem um destes dispoditivos, a alternativa é trabalhar com a máquina em modo “self timer”, pois a máquina irá ter tempo de abanar o que quiser antes de disparar. O problema é que por este método seria preciso estar muito bem atento e antecipar com exactidão o rebentamento dos fogos artifícios.

3º – Enquadramento
Fotografar fogos de artifício requer alguma preparação. Isto obviamente se não se quiser limitar a fotografar as explosões em sí. Apreciar antecipadamente a paisagem que poderá ser inserida na composição da fotografia é uma excelente forma de conseguir executar fotos com mais impacto. Quaiquer linhas de força que possam ser aproveitadas para dar mais vida e profundidade ao registo serão seguramente acréscimos à qualidade final. Além disso há aínda a velha questão da posição da máquina: Retrato ou paisagem? – Fica a dica (retrato para fotos em distancia focal elevada ou paisagem para registos mais abrangentes)… A ter também em atenção com bastante antecedência o possivel posicionamento das outras pessoas de modo a não ficar com cabeças alheias a emplastrar as fotos. Não menos importante será, obviamente, o impacto que a sua presença causará no bem estar dos outros.

4º – Distância focal
Uma das situações mais difíceis neste género de situações é a captura de pormenores parciais de uma explosão de fogo de artifício com uma lente de distância focal longa. O auto-focus dificilmente encontrará um contraste tempo suficiente para que seja reconhecido como tal e consequentemente se adapte a essa distância, por isso, se quiser insistir num registo de pormenor deverá utilizar focagem manual e ir por tentativas. Pessoalmente, parece-me que a atitude mais sensata será a de efectuar registos usando uma distância focal mais curta e abrangente e, se quiser, fazer posteriormente uns crops para ficar com pormenores parciais.

5º – Abertura
É frequente pensar-se que, por ser de noite e haver movimento de luz, o melhor será usar uma lente rápida e luminosa. Puro engano… O brilho das luzes é deveras intenso e tenderá a sobreexpor a imagem. Além disso, o resultado mais interessante será o de rastos de luz controlados e não o momento congelado. A utilização de uma abertura intermédia entre f/8 e f/16 é recomendável.

6º – Velocidade de obturação
Este aspecto é provavelmente mais importante que a abertura. Os fogos de artifício apresentam movimento e um bom fotógrafo quererá obviamente mostrá-lo de forma controlada e equilibrada. Para isso será preciso definir uma exposição longa mas acertada. A técnica mais eficaz será a de utilizar o modo BULB em conjunto com um disparador remoto. BULB é um modo presente na maior parte das DSLR’s e que consiste na abertura do obturador durante o tempo em que se mantiver o disparador pressionado. Esta técnica consistirá em abrir o obturador imediatamente antes da explosão e fechar no momento em que deixar de brilhar. Obviamente poderá testar múltiplas velocidades de obturação (andará por volta dos 2 segundos de exposição) mas definitivamente o modo BULB será o mais indicado. Nunca mantenha o obturador aberto durante demasiado tempo. Há sempre a tentação de o fazer pelo facto de pensarmos que como está escuro temos boa margem de manobra para tal. A questão é que, como já disse acima, a luz do fogo é deveras brilhante e irá com toda a certeza sobreexpor a fotografia.

7º – ISO
Definitivamente, a utilização do valor de sensibilidade mais baixa que a máquina disponibilizar é recomendável. Desta forma garantimos a menor existência de ruído possível. Utilize um valor de ISO 100 e o bom resultado será garantido. Algumas bridge disponibilizam um valor ISO 64, é de aproveitar…

8º – Esqueça o flash
A utilização do flash não terá qualquer impacto na captura da foto além de enganar a máquina fazendo-a “acreditar” que irá precisar de uma obturação rápida. Há que ter a noção de que o flash tem um alcance de apenas alguns metros e, mesmo que se encontrasse a essa distância do fogo de artifício, não haveria nada para iluminar a não ser algum fumo que por ali deambulasse. Obviamente o resultado final seria extremamente desagradável.

9º – Fotografe no modo MANUAL
Com tempo, as fotos acabarão por resultar melhor se utilizar exposição e focagem manuais. Obviamente perderá uma série de primeiras explosões até que tenha o set up definido mas verá que depois de acertar a focagem, atendendo a que a baixa abertura que está a utilizar lhe concede uma profundidade de campo bem abrangente, a nitidez será excelente daí para a frente. Obviamente não se poderá esquecer que, a cada vez que alterar a distância focal, terá que voltar a acertar a focagem.

10º – Faça experiências
Obviamente, isto são apenas dicas que o orientarão para um determinado fim e o ajudarão a ficar bem lá perto senão no ponto mas o gosto de cada um é que definirá quando atingiu a perfeição. Por norma, deverá ir espreitando os resultados de vez em quando para ver se não está a esquecer de nada ou até mesmo se não está a ter uma má interpretação da situação. Mesmo depois de se ter assegurado que afinou a máquina para aquilo que desejava, não se esqueça que as condições poderão mudar ao longo do trabalho.

 

Fonte: omundodafoto.blogspot.com (por: Pedro Rosário)

 

André Sanchez

www.andresanchez.com.br

Está pensando em trabalhar em casa? A fama, a fortuna e a liberdade podem estar à sua espera. Vamos revelar as dez maiores regras para o sucesso como freelancer…

Publicado originalmente na edição número 32 da revista Photoshop Creative.

Freelance. A palavra desperta uma enorme intriga naqueles que estão presos a um emprego das nove às seis e que se perguntam incessantemente se escolheram o caminho certo para suas carreiras. Mas o trabalho como freelancer, por mais que soe divertido e libertador, não é nenhum mar de rosas e não deve ser adotado sem muita consideração. Além de demonstrar um estilo único ou um talento artístico impressionante, para ter sucesso como freelancers os designers também devem ter uma grande coleção de habilidades pessoais. Os freelancers devem ser motivados, disciplinados, confiantes nos contatos tanto pessoais quanto online, possuir habilidades supremas de gerenciamento de tempo e rigorosos na hora de conferir a legalidade dos contratos e controlar suas contas. Neste artigo, mostraremos as dez regras de ouro que os profissionais criativos independentes devem obedecer para ter sucesso, ajudando você a se tornar um rei do trabalho freelance, e não um bobo da corte.

01 ENTENDA os CONTRATOS

Mike Harrison
www.destill.net

“Comecei a trabalhar como freelancer quando voltei de viagem porque não queria perder aquela sensação de liberdade. Trabalhei para enormes organizações, como a Nike, por isso entender o que assino é fundamental para meu negócio. Entender contratos é provavelmente o primeiro passo mais importante quando você se torna um freelancer. Se você não usar um contrato ou não ler com atenção o que for enviado pelo cliente, pode encontrar situações desagradáveis no futuro se, por exemplo, quiser expor ou publicar seu trabalho ou na hora de ser pago corretamente e no prazo.

“Parece demorado e chato ler cada coisinha de um contrato, mas é uma boa prática e vai beneficiá-lo no longo prazo. Se não entender alguma seção específica, procure por sites que possam explicar todos os termos e condições listados. Se ainda estiver com dúvidas, busque conselhos de um profissional, um colega ou marque uma hora em uma organização de aconselhamento jurídico que possa dar orientações mais claras. Além de entender os contratos, você também deve arquivá-los digitalmente e em papel. Trata-se de uma tarefa sem graça e aborrecedora, mas estamos falando de seu trabalho e de seu ganha-pão e isso precisa ser feito. Invista em um arquivo ou uma caixa de organizadora e faça uma pasta específica em seu computador para guardar todos os documentos legais para poder localizá-los rapidamente quando precisar.”

“Criei a capa da 12ª edição de Ed, um livro sobre tudo o que é papel, impressão e design. O conceito era simples e eficaz; recebi a imagem de um homem em um cômodo em branco e era como se ele tivesse pintado todas as palavras e objetos.”

02 COMO FAZER E MANTER CLIENTES

Jonathan Wong
www.artofwong.com“Uma rede de relacionamentos é parte vital do sucesso de um designer freelancer. O talento vence apenas metade da batalha, em minha opinião. A criação de um web site com um portfólio deve ser a primeira iniciativa. Em seguida, um freelancer precisa se vender com uma presença online, usando as ferramentas oferecidas pela internet. Esses canais podem ser usados de inúmeros jeitos: para postar atualizações sobre seus trabalhos atuais; informar sobre novidades em seus sites; ou basicamente para mostrar que você ainda está no mercado. Permaneça ativo, mesmo quando não estiver com muito trabalho, para mostrar aos clientes em potencial que você está disponível.

“Depois de ganhar um cliente, é muito importante mantê-lo. Seja cortês e amigável, sem deixar de ser profissional, durante a jornada de um projeto. Uma vez que um projeto tenha sido iniciado, informe ao cliente sobre o andamento do serviço e sempre obedeça os prazos; se não for capaz de fazer isso, é você quem sairá prejudicado. Mantenha contato com o cliente mesmo após o projeto, enviando-lhe notícias de vez em quando (mas não em excesso) sobre qualquer novo trabalho ou projetos. Também é importantíssimo manter a relação profissional em todos os momentos. Seu cliente pode ser um conhecido, mas não um amigo. Se o relacionamento ficar demasiado informal, será bem mais difícil tomar grandes decisões e apontar problemas.”

“’Milk it for all it’s worth’ é a expressão criativa da campanha Milk in Action, uma empreitada colaborativa entre o National Dairy Council (NDC), na República da Irlanda, o Dairy Council (Inglaterra e País de Gales) e o Dairy Council (Irlanda do Norte).”

“Trabalhei com a Cawley Nea TBWA neste projeto, criando uma série de ilustrações para publicações, caixas de leite e sites de toda a República da Irlanda e do Reino Unido”

03 CONSTRUA UM PORTFÓLIO FORTE

Neil Duerden
www.neilduerden.co.uk

Advanced Photoshop: Qual o passo mais importante para se tornar um freelancer?

Neil Duerden: Construir um portfólio forte. Essa é uma parte importante de ser freelancer – é preciso fazer ver seu trabalho e estar presente no reino digital. É bastante difícil ter uma boa presença se seu trabalho não for bem apresentado, já que as pessoas vão julgá-lo por suas criações e seu estilo. Por isso, mostre apenas seus trabalhos mais recentes e melhores.

Advanced Photoshop: O que os freelancers devem levar em conta ao criar um portfólio?

Neil Duerden: Para garantir seu próximo cliente é preciso que o portfólio seja corretamente direcionado. Decida qual seu estilo, para quem quer trabalhar e, o mais importante, quem você é. Por exemplo, você é um criador de imagens, tipógrafo, designer, artista digital etc.? Não tente ser tudo para todo mundo, pois você acaba diluindo suas habilidades e sendo superado pelos “especialistas” de cada área. Você pode ter certa liberdade dentro um dado campo, mas tentar se vender como sendo bom em todos enfraquecerá sua posição no mercado.

Advanced Photoshop: Como devemos apresentar um portfólio?

Neil Duerden: Além de um portfólio online, é bacana fazer versões impressas de seus melhores trabalhos recentes e colocá-las em uma bela pasta de couro. Atualmente, tenho oito em circulação; eles são ótimos para mostrar o que posso fazer, mas preciso ter o controle de onde estão.

.

“Cada projeto que completo traz novos desafios à mesa, que devem ser absorvidos em meu estilo.
O truque é fazer algo que funcione para a marca em nível comercial. Isso significa transmitir a mensagem daquela peça, mas também os ideais e aspirações da própria marca”

04 PREPARE UM ESPAÇO DE TRABALHO LIVRE DE DISTRAÇÕES

Alexander Otto
http://works.diftnorm.com“Na minha cabeça, uma das coisas mais importantes ao se começar uma carreira como freelancer é ter um lugar em que você possa se afastar de tudo o que poderia distraí-lo durante o trabalho. O ideal é ter seu próprio lugarzinho para se concentrar e trabalhar em todas as etapas do projeto. Quer se trate de um escritório privado, de uma quitinete alugada ou um canto de sua casa, pense em remover distrações como TVs e videogames e peça para as outras pessoas que vivem ou trabalham no mesmo espaço para respeitar o seu trabalho.”


“Tive o prazer de trabalhar com estúdios como o Sehsucht, Tronic e Illustrative e para clientes como a Alfa Romeo, AT&T, Chanel Nº5, Diesel Fragrance, Jägermeister, Montblanc e outros.

05 SEJA UM BOM COMUNICADOR

Christopher Haines
www.neondreams.com.au

“Ser um bom comunicador é mais do que óbvio. Se você não conseguir transmitir uma ideia, logo será ejetado do mercado. Seja fiel aos prazos, fácil de se relacionar e trabalhe muito bem. Ao conversar com seus clientes procure parecer confiante e confiável e, se for novo no mundo dos freelancers, pode ser melhor começar com clientes locais menores. Também é bacana pedir por opiniões sobre seu trabalho para aperfeiçoá-lo.”

“Sou especializado em ilustrações digitais riquíssimas em detalhes, combinando 3D, fotografias e pintura digital para criar minhas imagens. Meu estilo se baseia no surreal, às vezes com um toque futurístico”

06 ENCONTRE TEMPO PARA SEUS PRÓPRIOS PROJETOS

Manuel Coletto
www.aegraphy.com

“Acho que existem duas coisas essenciais que um artista deve fazer para melhorar: experimentar e pesquisar. Nunca pare de tentar coisas novas, sejam técnicas ou ferramentas diferentes. A Web oferece enormes oportunidades para desenvolver suas habilidades graças aos concursos e coisas parecidas. Além de gerar novidades para seu portfólio, os prazos ajudam a trabalhar suas habilidades de gerenciamento de tempo.”

“Nunca pensei em ser um freelancer de verdade, porque passei muito tempo estudando na universidade. Foi uma coisa que aconteceu quando as pessoas e os clientes começaram a me pedir ilustrações

07 DEIXE O CLIENTE FELIZ

ollie Munden (ou MegaMunden)
www.megamunden.com

Advanced Photoshop: como ter sucesso como freelancer?

MegaMunden
: Acho que é aprendendo a deixar os clientes felizes. Aprendi a manter meus clientes informados e desse modo eles ficam do meu lado.

Advanced Photoshop: Qual o melhor jeito de fazer isso?

MegaMunden: Mostro desenhos e mesmo rascunhos iniciais que não são mais do que meros esboços. Acho que algumas pessoas cometem o erro de mostrar trabalhos demasiado acabados e isso acaba assustando o cliente, se não era bem aquilo que ele queria. Eles devem ser capazes de entender que você é capaz de criar o visual “acabado” que eles procuram, mas caso você tenha entendido mal o briefing alguns esboços simples podem evitar um tempo enorme perdido em correções ou – pior ainda – a perda do cliente para sempre.

Advanced Photoshop: além de receber o pagamento, qual a principal vantagem de manter o cliente feliz?

MegaMunden: Você recebe boas recomendações, e o boca a boca é importantíssimo nessa área. Todos os serviços que fiz apareceram graças a alguém que falou de mim a seus amigos ou colegas.

“Este trabalho foi criado para a casa noturna Audio em Brighton, Reino Unido. Foi encomendado pela Filthy Media, que disse que minha resposta ao briefing foi bem pensada e se adequava perfeitamente à marca”


“Esta ilustração foi criada para a marca australiana Hot Tuna, que precisava de desenhos para uma  nova linha de camisetas”

08 APRENDA A USAR AS REDES SOCIAIS

Thomas Burden (There Will Be Unicorns)
www.therewillbeunicorns.com

Advanced Photoshop: Por que é importante usar sites de relacionamento social?

Thomas Burden: As redes sociais, online ou físicas, são parte importantíssima do trabalho. Embora eu morra de vergonha a cada vez que posto no Twitter, trata-se de uma excelente ferramenta para se manter na cabeça das pessoas certas. Existem ilustradores horríveis que chegaram lá simplesmente com uma autopromoção constante.

Advanced Photoshop: Quais os melhores sites a usar?

Thomas Burden: Twitter e LinkedIn são bem úteis, e você pode sincronizá-los, para que seus contatos do LinkedIn recebam um e-mail cada vez que você postar um tweet, e realmente irritar as pessoas!

Advanced Photoshop: Quais os conselhos para os freelancers que twittam?

Thomas Burden: É importante não cair na armadilha da facilidade em manter uma presença online semiprofissional e informar a todos de cada citação otimista encontrada online ou em um livro de autoajuda. Demonstrar paixão por sua área é ótimo, mas é muito fácil parecer cafona e bajulador. Procuro manter meu discurso online interessante, relevante e leve, especialmente em meu blog.

Advanced Photoshop: O que é melhor em sua opinião, redes sociais online ou contatos pessoais?

Thomas Burden: O melhor jeito que encontrei para conseguir novos trabalhos é conversar frente a frente com as pessoas. Além disso, ter um agente ajuda a abrir mais oportunidades para organizar encontros com novos clientes.

“Este pôster serviu para promover um esquema de incentivos à equipe de vendas da Belkin”

09 RENOVE SUAS HABILIDADES

Richard Roberts
www.theotherstream.com

“Renovar suas habilidades é imensamente importante. Se não a coisa mais importante que um designer freelancer pode fazer. O trabalho para os clientes pode fazer com que você estacione, por isso é essencial encontrar tempo para seu trabalho pessoal, para não interromper seu desenvolvimento como artista. A última coisa que se deseja neste mercado cruel é que seu trabalho se transforme  em um disco riscado. Sempre existem novas coisas a aprender. Pessoalmente, também percebi que praticar meus dons de ilustração regularmente com um lápis k tradicional também ajuda muito.”

“Este trabalho foi para o projeto Translate, da cerveja Tiger, uma exposição que ocorreu em diversas cidades de todo o mundo”

10 PROMOVA A SI MESMO

Ross Crawford (Ahoy There)
www.ahoythere.org.uk

“Autopromoção é tudo. Eu garanti tantos trabalhos com a autopromoção quanto com meu trabalho comercial. Com a autopromoção você pode produzir o trabalho que quiser, pegar um comercial antigo que você gostaria de ter feito e recriá-lo em seu próprio estilo. Depois de reunir uma boa coleção de realizações, você pode abordar as pessoas que quiser. Procure conseguir reuniões diretas com agências e empresas, pois sempre é preferível ver as pessoas frente a frente. Ninguém vai fazer isso por você – se você quiser o serviço, terá de ir lá e agarrá-lo – é simples assim.”

“Este trabalho veio por meio da Central Illustration Agency e foi minha primeira encomenda internacional. Fui brifado por um diretor de arte da TBWA Paris e o comprador de arte do McDonald’s. O processo foi bem suave e todos nós gostamos de trabalhar juntos”
Fonte: photoshopcreative.com.br
Post by: Kleython Bianchi