arquivo

Arquivo da tag: Catálogos

Hoje temos uma gama enorme de tipos de encadernação, vernizes de tudo quanto é cor, cheiro, textura, impressão de 5ª cor, hotstamping, laminação, papéis que imitam texturas da natureza, como por exemplo pétala de rosa, relevo, faca especial, ou até mesmo uma diagração mais elaborada, enfim, muita coisa para tornar um material interessante e fugir do feijão com arroz.

Oque poderia impedir a elaboração de impressos como este seria a falta de verba ou a falta de criatividade. Mas sabemos que isso seria um investimento para quem quer chamar a atenção e se destacar, ou seja não é dinheiro jogado fora.

Segue abaixo alguns exemplos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: Design on the Rocks

 

Postado por

      


Anúncios

Diagramação é o ato de ordenar e coordenar vários elementos que farão parte de uma página. É importante que essa diagramação seja coerente para que haja uma boa leitura e disposição das imagens. Para haver uma boa diagramação, é preciso conhecer seus conceitos principais: simetria e assimetria.

  1. Em caso de espaço grande, os textos deverão ser dispostos em colunas;
  2. Os títulos, subtítulos e textos deverão ter formatação diferenciada, para que eles sejam facilmente identificados;
  3. Alinhamento centralizado, justificado, à direita ou à esquerda.

Organização

Organize tudo. Cada coisa tem a sua importância.

  1. Qual é o objeto principal? E se você tiver duas imagens, qual delas é a mais importante?
  2. Em que local da peça o título deve ficar?
  3. O texto deve estar em qual posição?

Esses são os tópicos básicos para a organização da diagramação.

Equilíbrio e Contraste

Todos os objetos que estão dispostos no material devem ter o seu grau de importância. Tanto faz se for simétrico ou assimétrico.

 

Planejamento Visual

Os procedimentos básicos da diagramação e do planejamento visual seguem quatro princípios básicos:

Proximidade

Qual é o “caminho” que os olhos do leitor faz para poder visualizar as informações no material? De onde vêm, para onde vão? O princípio da proximidade se refere à leitura da peça. Deverá começar bem e terminar bem.

Alinhamento

O posicionamento das peças no material é de extrema importância. É preciso que hajam “amarras” visuais entre os elementos. Isso permite que a peça seja sofisticada e com uma ótima aparência.

Repetição

A repetição permite unidade no material. Todos os títulos, por exemplo, devem ser formatados da mesma forma, mesmo tamanho, mesma fonte, em todo o material. Ou quando, por exemplo, você coloca uma linha ao final de cada texto etc. São exemplos de repetição que cria a unidade do material. A pessoa que está vendo o material deve saber tudo o que faz parte dele, e para isso, é preciso a criação da unidade.

Contraste

O contraste permite a “diferenciação” aos elementos. Ele cria atração visual ao material. O mais importante para você saber é que o contraste, para ser realmente válido, deve ser forte.

Além de criar um atrativo visual importante ao material, o contraste ainda permite a organização das informações, o que possibilita uma compreensão maior por parte do leitor, criando um “caminho” lógico.

Referência:  Gráfica Atualcard

Postado por: Maritsa DS _(=^.^=)_

Já que estamos trabalhando em cima de catálogos..algumas informações que eu peguei ai na net sobre eles..

Fotos bonitas, letras coloridas e um texto diferente. Aparentemente, os ingredientes para um bom catálogo ou folder de uma empresa. Mas se engana quem pensa que só isso já é o suficiente para ganhar a disputa pela preferência do cliente. Em tempos em que se recebe tanto papel e ainda se enfrenta a concorrência com e-mails e outras formas de mídia, o que mais conta na elaboração de um bom material gráfico – como é o caso dos folders e catálogos – é o “tratamento” que se dá a ele.

Não é fácil saber, exatamente, onde eles surgiram, mas não é de hoje que as empresas se utilizam de folders e catálogos para vender seus produtos e serviços. Diferentemente do cartão de visitas, que precisa ser objetivo e trazer informações rápidas, o folder é uma peça mais trabalhada, trazendo fotos, textos e, acima de tudo, a informação que se quer divulgar para clientes e prospects.

“Tudo começa com a escolha correta do profissional que irá executar o trabalho”, explica o designer Marcelo Medina, da MMedina.com. “Não basta ser um bom designer gráfico ou uma boa agência de propaganda, é necessário que o cliente perceba se o profissional prestou bem a atenção no briefing passado por ele, se compreendeu as necessidades, se entende do negócio – ou se estudou o mercado antes de atendê-lo – e, principalmente, se o layout que será mostrado apresentará alguma novidade em relação aos concorrentes”.

Medina explica que um bom folder ou catálogo é aquele que apresenta design próprio – diferente e bem cuidado, textos com bom português e voltados ao público alvo. Segundo ele, um bom texto e boas fotos representam 60% do sucesso do folder. “É o profissional de design gráfico que irá dirigir esses textos e fotos, feitos por profissionais especializados, para que fiquem perfeitamente integrados com a criação gráfica”, acrescenta.

Os folders podem ter várias funções, que vão desde anunciar uma promoção especial da empresa até trazer os serviços que ela oferece ao cliente, ou ainda, funcionar como uma espécie de pequeno portfolio. Já os catálogos costumam ser mais completos, mostrando toda a linha de produtos ou serviços oferecidos. Mas o que vai fazer com que o cliente ou possível cliente pegue e guarde o material ou não, é realmente a capacidade desse material chamar a atenção dele.

“O folder comum, que anuncia uma promoção, por exemplo, não é um artifício de vendas durável”, comenta Medina. “No caso de folders ou catálogos institucionais, esse tempo é bem maior, podendo chegar até doze meses, por isso precisa de mais apuro ainda em sua confecção. A renovação desses materiais acaba passando uma imagem de inovação e preocupação da empresa em relação ao seu público. Por isso, o cliente tem de conter o impulso de gastar pouco e fazer um folder “passageiro” que não diga nada, que não tenha um projeto visual, que tenha fotos de câmera digital sem um tratamento de luz adequado, e textos super reduzidos e colocados em tópicos. Isso só depõe contra o produto dele e o que era barato fica caro. Mesmo o mais simples dos folders merece tratamento diferenciado e cuidadoso, pois essa será a impressão que terá o cliente do negócio. Fiz uma vez um cardápio para uma lanchonete que de tão atrativo em relação ao design e fotos, os clientes queriam levar pra casa e guardar para fazer os pedidos por telefone”, lembra o designer.

RAFAEL MARTINEZ