Escalas de cores

As escalas de cores são utilizadas para se controlar diversas características do material impresso, compostas por diversos elementos gráficos que possibilitam ao impressor ou ao produtor gráfico obter informações objectivas sobre as condições técnicas dos impressos, em especial no que se refere à análise densitométrica.
Existem diversos fornecedores de barras de cores Brunner, Fogra, Gatf, entre outros, tanto no modo analógico (em filme) como no modo digital, de forma a possibilitar a inclusão destes elementos de controlo directamente no arquivo digital que será utilizado para a gravação da chapa, por exemplo, nos sistemas CTP.
Mais importante que a sua forma, analógica ou digital, são as informações que podemos utilizar para padronizar as condições de impressão de forma a garantir um melhor controlo sobre o material impresso.

Análise sobre alguns dos elementos da barra de cores:

Elementos de cor única:

Estes elementos sólidos (100%) possibilitam a verificação densitométrica da carga de tinta em toda a extensão da folha impressa. Estes dados trazem ao impressor o valor densitométrico que pode ser padronizado durante a impressão.

Elementos com cores sobrepostas:

Estes elementos de sobreposição de cores de escala são as áreas adequadas para a medição dos valores de trapping das tintas. Através da análise destes valores podemos verificar se há problemas de aceitação de tinta sobre tinta o que, na prática, pode significar a possibilidade de se corrigir a sequência de impressão ou a troca de tintas que apresentem algum tipo de problema na aceitação da sobreimpressão.

Elementos reticulados com diferentes percentagens de ponto:

Nestes elementos reticulados, geralmente em percentagens de 25%, 50% e 75%, servem para se verificar o ganho de ponto do material impresso. O controle do ganho de ponto na impressão é um dos mais importantes controlos do processo gráfico. Caso se verifiquem grandes variações nos valores ajustados na pré-impressão, cabe ao impressor verificar a carga de tinta e/ou a pressão dos rolos, entre outros cuidados, para se determinar a causa do ganho de ponto, mantendo a impressão nos níveis desejados pelo cliente e correctos para o impresso.

Elementos de análise que possibilitam a verificação de diversos aspectos qualitativos do impresso.

Em algumas barras de controle mais complexas, destinadas a verificação mais ampla do impresso, podemos encontrar uma área muito especial também chamada de IT8.

A IT8 é composta na verdade de uma diversidade de elementos e por si já se configura como uma barra de cor especial.
A sua maior utilidade diz respeito a captação de informações para a criação de Perfis ICC para a gestão de cores.

Vejamos os itens que compõem a escala IT8:

Área 1:

Composta pelas cores primárias CMY mais o K e pelas secundárias RGB em tons sólidos que decrescem gradualmente em valores de percentagens de ponto, servem para se fazer uma leitura densitométrica e calorimétrica das cores resultantes da impressão, valores estes que servirão como base para, por exemplo, os softwares de gestão de cores analisarem quais as cores reproduzíveis por aquele determinado equipamento e as compararem com os dados enviados pelo computador, ou constantes do fotolito, podendo, a partir desta comparação, fazer os ajustes necessários para as correcções de cores.

Área 2:

Idem à área 1, agora com análise das áreas de meia tinta da impressão.

Área 3:

Idem para as áreas de tons pastéis, geralmente áreas críticas para impressoras digitais que muitas vezes não são capazes de as reproduzir com as variações subtis necessárias.

Área 4:

Composta pelo conjunto de cores mais prováveis de serem encontrados em um impresso a quatro cores e que servem como referencias estatística para os sistemas de gestão de cores.

Área 5:

Composta por áreas de sombra, se destinam a análise da capacidade da impressora em reproduzir tons críticos em áreas de alta saturação e sobreposição de cores, também trazendo subsídios para se determinar os melhores valores de UCR* ou GCR* a serem utilizados.

*UCR = Under Color Removal

*GCR = Gray Component Replacement

São técnicas de remoção de cores primárias e sua substituição pelo pigmento preto.

Área 6:

Composta de variações de cinzentos que serve para a determinação do ganho de ponto e variações tonais no preto, K, que possibilitam verificar isoladamente o comportamento deste pigmento na impressão.


Note-se que o conjunto de dados analisados possibilitará ao software de gestão de cores traçar um verdadeiro perfil do equipamento impressor e com estes dados armazenados na sua memória na forma de um perfil ICC, serão a base para as conversões necessárias para a correlação de cores entre diferentes equipamentos.

Fonte: http://portaldasartesgraficas.com

Tassila M.Pinheiro

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: