O que é que torna um texto legível?

A importância das “formas familiares”, de padrões já conhecidos ao leitor.

A definição mais concisa de “legibilidade de letras” veio do britânico Eric Gill, que afirmou: “Na prática, a legibilidade equivale ao que uma pessoa está acostumada”.

Embora este dogma possa ser interpretado com humor (Eric Gill era um excêntrico inglês com um forte sentido de humor), este lema tem sido confirmado por várias investigações.

• Obviamente, nós (os leitores) fazemos parte de uma longa evolução histórica que foi formando os carácteres e lhes foi dando formas que hoje consideramos “típicas”.
• São essas formas históricas as que reconhecemos com maior facilidade.

As formas com as quais estamos familiarizados, são-nos mais legíveis do que aquelas que não nos são comuns.

Por isso, é conveniente não fugirmos muito ao já conhecido – quando tratamos de maximizar a legibilidade. Características distintivas dos tipos: a “shape recognition” é essencial.

Existem algumas características dos tipos que fazem que com alguns se consiga um texto bem mais legível que com outros. Estas características são, essencialmente:

  • o corte
  • as serifas
  • o contraste (na grossura do traço)
  • a cor (gray value)
  • o peso (weight)
  • o corpo (=o tamanho)
  • a altura-x
  • e … certos rasgos de “personalidade individual” para várias letras (g,h,y, …)

Todos estes parâmetros devem ser objectos de uma escolha consciente por parte do designer/paginador.

A legibilidade é melhor nos tipos com fortes características “pessoais”.

Um pequeno teste de comparação convence-nos rápidamente que os tipos serifados têm as mais fortes características “pessoais”. Vejamos: a fonte Garamond possui características que provocam um rápido e fácil reconhecimento das letras.

São particularidades resultantes do profissionalismo do gravador de punções Claude Garamond e de toda a evolução histórica que veio a seguir.

Ao fazer-se a Akzidenz-Grotesk (por volta de 1890, autor anónimo), a necessidade sentida em renovar o repertório tipográfico negou voluntariamente esse legado histórico, substituin­do-o por uma construção basicamente geométrica de caracteres com traço de grossura quase uniforme, sem contraste.

João Paulo Macedo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: