Quando a arte encontra a tecnologia

Novas possibilidades e concepções se abrem para a produção artística com a webarte, que inclui telemática, produção colaborativa, pixel por pixel, arte conceitual e até fotografia digital.

 

Em 1992, a francesa Anne Cauquelin termina seu livro Arte Contemporânea ? Uma introdução, pelo qual apresenta ao leitor uma nova forma possível de arte, a Arte Tecnológica. Hoje, após novas propostas teóricas e evolução do próprio meio, seria possível falarmos em termos como Arte Telemática, Pixel art, Digital art, Net art, Wiki art etc.

Para melhor explicar o diálogo entre arte e tecnologia, a autora dividiu a relação em duas possibilidades. Na primeira, as novas tecnologias seriam suporte de divulgação. Na segunda, a utilização de ambientes digitais para a própria construção do objeto artístico.

Suporte para divulgação – Fenômeno recente da indústria fonográfica, o site Trama Virtual foi responsável por lançar, a uma massa de jovens sedenta por novidades, revelações do cenário musical como “Cansei de Ser Sexy” e “Mombojó”.

A estrutura de funcionamento é simples. O artista faz o cadastro no site, cria um perfil e disponibiliza gratuitamente sua música para outros usuários. Há também espaço para reportagens e artigos. O modelo segue os moldes do site norte-americano My Space, também bem sucedido em sua proposta. Este é apenas um exemplo. Fenômenos semelhantes acontecem com a indústria do cinema, das artes plásticas etc.

Embate conceitual – Entremos agora em um campo polêmico. Conceituar Webarte é um trabalho árduo, muitas vezes subjetivo. Adotarei a seguinte definição: Webarte é toda a obra que tem sua concepção, produção, exposição e distribuição centrados em ambientes digitais. Tentaremos ser mais claros através de um exemplo:

Dois jovens, de diferentes partes do mundo (São Paulo e Tóquio), se conhecem em uma comunidade virtual de música eletrônica. Ao trocar informações sobre tendências e novos caminhos, identificam-se e decidem se juntar para gravar um disco. Criam faixas utilizando o software Fruity Loops, depois mixam-nas e compilam em uma coletânea de músicas. A divulgação e distribuição é feita na mesma comunidade virtual a que pertencem. Logo, outros jovens, em pontos distintos do mundo, vão fazer download das músicas e escutá-las. Isto é o que podemos chamar de Webarte.

Possibilidades heterogêneas – Grande engano também considerar Webarte uma possibilidade homogênea. Tomemos como exemplo a Fotografia Digital, a Pixel art e a Wikiart.

A tecnologia das câmeras digitais, já bastante difundida, é amplamente utilizada na produção de fotos artísticas. Agregando valor ao processo, softwares como Photoshop permitem que a obra alcance uma plástica única, impossível de ser conseguida com o suporte analógico.

A fotografia digital pode ser pensada como um exemplo de Webarte quando analisamos o processo como um todo. Fotografa-se pensando em recursos de iluminação, contraste, efeitos e outros tantos, encontrados apenas no suporte digital. Posteriormente expõem-se em ambientes digitais. Veja o site Olhares por exemplo.

Descrever Pixel art servirá para ilustrar outras tendências da Webarte. O termo pixel é uma abreviatura de Picture Element, ou a menor parte de uma imagem digitalizada. A junção de vários pixels forma as imagens digitais. A Pixel art seria então a forma de desenhar uma obra, pixel a pixel. Veja alguns exemplos de Pixel art no site Pixel Joint.

A questão é mais complicada quando falamos de Wiki art. Essa nova forma de criação em ambientes digitais coloca em cheque a questão da autoria, jogando luzes sobre o futuro da web. A Wiki art (o termo surge da enciclopédia virtual Wikipedia) segue premissas da Web 2.0 e tem como exemplo mais famoso o coletivo italiano Wu Ming Foundation, em que um grupo de internautas criou, a múltiplas mãos, as obras literárias Q e 54.

Convém se dizer então que, colocadas tais questões, ainda há um vasto campo de análise sobre o assunto. Questões diversas ainda surgirão e outras tantas ficarão sem resposta. Resta apenas acessar ?webartes? e acompanhar, in loco, a concepção de novas formas de fazer artístico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: